Arquivo mensal: março 2009

Fofinhos e Mortais

Olá Pessoal!!!

Bom de vez em quando alguém tem uma ideia maluca e faz uma historia que de tão doida vira sucesso. Estava eu dando uma voltinha pelo site Omelete quando vi esta notícia e não acreditei…

http://www.omelete.com.br/quad/100018840/Cat_Shit_One_.aspx

Pois é um bando de coelhinhos fofos trocando tiros com camelos, regado a sangue e violencia é no mínimo interessante. E naõ é a primeira vez que vemos bichinhos fofinhos em situações adultas, a série We3 conta a historia de um cachorro, um gato e um coelho auterados em experiencias militares para se tornarem armas que fogem de seus criadores. Eles são fofinhos e letais e mostra uma interessante forma de contar uma historia com dialogos apenas essenciais.

A ideia de colocar bichos no lugar de lados de uma guerra também não é nova, na história Maus, ratos representando os Judeus são caçados pelos gatos Nazistas. O autor fez uma pequena referencia às propagandas nazistas que comparavam os judeus a ratos, pragas que deveriam ser exterminadas…

Por que estou falando dessas histórias? Bom acredito que a a forma como elas mostram situações reais e dramas adultos com uma linguagem sarcástica e fofinha. Os roteiros são densos, dramáticos e arrebanharam um bando de fãs cuylt. Até pensei  em fazer a minha propria historia com bichinhos fofinhos…

Bom esse foi um post de curiosidade só pra dividir com vcs

Inté mais,

P.S. Estou querendo postar cronicas policiais daqui pra frente…

P.S. realmente ver coelhinhos fofinhos disparando pra todo lado é complicado

P.S.Um cara uma vez fez algo parecido com os smurfs… imaginem …

Anúncios

Anime Series: Hades Project Zeorymer

Hi people! ^^

Antes de mais nada, vou aproveitar para comentar algo que esqueci no último post. Gostaria de agradecer, em nome do blog,  a todos que sempre acessam o nosso blog ou mesmo os passantes acidentais, pelas mais de 32000 visualições e também a todos que sempre comentam as postagens. Muito obrigado mesmo!
Aproveito para lembrar que os comentários sempre são bem vindos, sejam críticas, idéias, observações, pedidos, ou puramente comentários (porque não xP)…é uma forma legal de se medir o nível de interesse e agrado do pessoal que acessa o post, e para nos ajudar a compor o conteúdo e melhorar a qualidade.

Finalmente minha tablet chegou (não me lembro se já havia postado falando sobre ela, mas fazia anos que eu tinha vontade de adquirir uma) do USA, e devo confessar que é fenomenal poder usar um gadget como esse. Estou muito feliz por mais essa conquista, e futuramente, penso em até fazer um post falando sobre tablets para o pessoal conhecer melhor o que são e para saberem como escolher a sua na hora de comprar.

Voltando ao contexto…

Hoje vamos falar sobre um anime das antigas, e que trará saudosas lembranças as pessoas que assistiam a programação da extinta TV Manchete. Pioneira passando animes na TV brasileira, exibia vários títulos interessantes e foi nesse período que houve a “era dourada” dos animes em minha opnião, já que a variedade era legal, a dublagem era quase que ao pé da letra e não haviam cortes (não era esse lixo, com o perdão da expressão, que temos nos canais abertos hoje em dia).
Um dos programas exibidos pela TV Manchete se chamava U.S.Manga (em 1997), que televisionava vários OVA’s (Original Video Animation) licensiados pela produtora “U.S. Manga Corps“. Foram ao ar 11 animes diferentes.

O escolhido de hoje é o Hades Project Zeorymer ou Zeoraima (como foi chamado aqui no Brasil).

Zeorymer - Cartaz 1

Zeorymer - Cartaz 1

Seguindo as informações da Wikipedia como sempre, Zeorymer foi um mangá criado por Yoshiki Takaya (e escrito usando o pseudônimo de Chimi Morio…lembrando que o uso de pseudônimos é muito comum no Japão) e foi publicado numa revista de mangá adulto chamada Lemon People em Outubro de 1983 até Novembro de 1984. A adaptação para OVA, produzida pela Toshiba EMI e Youmex, e com a animação de AIC e ARTMIC Studios, reuduziu de forma significativa o conteúdo sexual explícito contido no mangá.

A história se passa num futuro próximo onde uma organização chamada de “Tekkoryu“, também conhecida como “Hau Dragon“, tenta dominar o mundo usando uma série de robôs gigantes. O modelo mais poderoso chamado de “Zeorymer Celestial” ou “Zeorymer do Céu” foi roubado por um dos membros e destruiu parte da organização.
Anos depois, a organização está reestabelecida e quer novamente conquistar o mundo e também quer se vingar da traição passada. Descobrindo que o governo japonês está em posse do robô, eles mandam um de seus guerreiros Hakkeshu (os pilotos que pilotam os robôes especiais) para destruí-lo.
Enquanto isso, um adolescente de 15 anos de nome Masato Akitsu, é literalmente sequestrado e forçado e pilotar o Zeorymer por uma garota chamada Miku Himuro, que diz que ele é o único que pode pilotá-lo e enfrentar a Hau Dragon.

Zeorymer - Cartaz 2

Zeorymer - Cartaz 2

Apesar de que algumas pessoas mais acostumadas com gráficos mais novos e avançados possam estranhar o que vou dizer…os gráficos do anime são muito bem feitos, principalmente o background (fundo das cenas).
Os OVA’s costumam ser assim, pois contém poucos capítulos. Mas, exatamente por isso, a história costumada ser muito corrida e cortar muitas coisas, principalmente quando baseada em um mangá ou livro (com exceção de extensões de animes que tem episódios extras ou especiais feitos em modelo OVA). No caso de Zeorymer, mesmo não tendo lido o mangá, a história parece ser bem coesa e é possível seguir tudo com um alto nível de satisfação.
Outra coisa interessante é que Zeorymer, Detonator Orgun, entre outros, são de uma época em que os traços dos robôs eram diferenciados, pois, depois do “fenômeno Gundam” surgiu, os designs quase sempre pareciam ser tê-los como base…não que fosse ruim, mas sempre é legal ver idéias inspiradas mas que ganham vida com personalidade e criatividade.

Zeorymer - Personagens 1

Zeorymer - Personagens 1

O som não é muito o forte de animes da época (em comparação com hoje em dia onde sempre temos bandas famosas compondo a trilha sonora dos animes), mas ainda assim é agradável e se adapta bem ao contexto.

A história em si é interessante, sendo dramática e instaurando situações complicadas…e exatamente por isso você percebe o porque de Evangelion (aliás, futuramente vou falar sobre ele aqui) ter sido baseado em Zeorymer. Fica bem claro enquanto você vai assistindo.
O Zeorymer em si, como o próprio anime situa, é a unidade mais forte entre os oito robôs (que são oito por se inspirarem nos elementos mitológicos japoneses que seriam fogo, água, vento, terra, lua, céu, montanha, raio/trovão, não necessariamente nessa ordem)…e exatamente isso que ligeiramente incomoda, pois ele é tão overpower que as batalhas perdem um pouco da graça.
Lógico que muita gente não vai se incomodar, mas se tudo fosse mais equilibrado, poderia dar uma adrenalina maior. De qualquer forma, ainda é interessante observar os robôs inimigos usandos vários ataques especiais elementais (com direitos a nomes e tudo) contra o Zeorymer e o mesmo mal soprar ( sem nenhum nominho diferente) e destroça-los. xD

Zeorymer - Personagens 2

Zeorymer - Personagens 2

Esse anime á uma ótima adição para a sua biblioteca, ou mesmo para constar no “Hall do que você já viu”. É um clássico e com certeza é recomendadíssimo, seja você um iniciante que quer ver como eram feitos os animes mais antigos ou alguém experiente que quer matar a saudades dos velhos tempos.

Aliás, como eu gosto muito de cultura japonesa, mangás, animes, desenho, etc…acredito que toda e qualquer “experiência visual” seja válida, pois você pode acrescentar algo mais na sua bagagem cultural. =)

Zeorymer Action Figure - Eu queria um desses...

Zeorymer Action Figure - Eu queria um desses...

Bem, por hoje é só pessoal! hehehe
No próximo episódio, muito provavelmente, vamos abordar outro anime clássico que compôs a programação da U.S. Mangá: Detonator Orgun.
Então não percam o próximo capítulo dessa nossa saga referente ao acervo de animação japonesas ok!

See Ya! ;D

P.S.: Se alguém, por acaso, souber onde posso encontrar os filmes de Evangelion, eu agradeceria muito se pudessem me comunicar por comentário…já que só não falei sobre Evangelion ainda pelo fato de querer ver os filmes primeiro. xP

P.S.2: Reforçando o que eu disse no início, se tiverem dicas, comentários, críticas, idéias para postagens ou assuntos, sugestões, ou qualquer outra coisa, deixem sua marca no blog comentando ok people!

P.S.3: Hell Yeah baby! Tablet Power rules Dude! \o/

Animes Series: Casshern Sins

Hi people! ^^

Acabei de assistir agora a pouco o anime que será abordado hoje: Casshern Sins. E comecemos com os dados técnicos, que podem ser encontrados na fabulosa Wikipedia.

Casshern Sins

Casshern Sins

Casshern Sins é um remake de um outro desenho clássio chmado de Neo-Human Casshern, produzido pela Tatsunoko Productions e animado pela Madhouse, e começou a ser exibido no final de 2008.

A série foi completamente reconstruída, ignorando os fatos do outro anime, conjuntamente com a continuidade da história original.Em Neo-Human Casshern , Casshern era um Super-herói cibernético que enfrentava as forças robóticas malignas do temido Braiking Boss, em um mundo pós apocalíptico. Abaixo segue um vídeo da abertura de de Neo-Human Casshern em japonês.

Também existe um filme feito no estilo “live action” chamado de Casshern, que foi lançado em 2004 no Japão. Eu não assisti ao filme, então não vou me ater a comentar sobre o mesmo. Abaixo fica um trailer curto (eu vi outro trailer em que a ação até que é bem feita e representa bem a idéia da série…mas não sei se é do início, meio ou fim do filme…então melhor não deixar spoilers):

Casshern - Poster do filme

Casshern - Poster do filme

Já em Casshern Sins, Casshern é mostrado como um ciborgue, sob as ordens do Braiking Boss, que foi ordenado a matar a salvadora da raça humanda, conhecida como Luna, e isso levou o planeta a perdição com o começo da ruína (seria o enferrujamento acelerado dos robôs, tratado como uma doença, pois antigamente isso não acontecia na história).

A história usa alguns personagens do enredo original como Friender (o cachorro que acompanha Casshern e originalmente tinha habilidade de se transformar em veículos e até de cuspir baforadas de fogo), o próprio Braiking Boss, e Luna (que no anime original era aliada de Casshern e nesse só usaram o nome e não a aparência original).

Casshern Sins - Casshern

Casshern Sins - Casshern

O traço usado no anime é detalhado, mas parece um pouco simplista se comparamos a nova geração de animes do momento. Mas com certeza, os cenários são divinamente bem feitos e o uso de cores e contrastes é estonteante.

A trilha sonora é muito bonita e encaixa perfeitamente no contexto de um mundo pós-apocalíptico onde as pessoas costumam viver em constante sofrimento (meio pesado falando assim…mas é a idéia mesmo…).

Casshern Sins - Casshern e Ringo

Casshern Sins - Casshern e Ringo

A enredo é bem dramático. Casshern, que está com aminésia e não se lembra do passado, segue uma vida confusa sem rumo enquanto “Deus e o mundo” tentam matá-lo graças a um rumor que devorá-lo poderia parar a ruína.
Mesmo com essa descrição, o foco não está nas batalhas (que são bem escassas e rápidas também, porque Casshern é o robô mais forte do extinto exército do Braiking Boss…então já viu né), mas sim, em decisões morais e a batalha das pessoas para sobreviver (pois o conceito da ruína nada mais é do que a morte).

Casshern Sins - Casshern em modo beserk

Casshern Sins - Casshern em modo beserk

Eu originalmente, prefiro o Casshern da história original, não só por ter mais ação e tudo mais, mas sim pelo fato de que se alterar uma idéia clássica tão drasticamente assim não é muito bom…mas claro que é minha opnião. Seria mais interessante um remake, e talvez pequenas mudanças…não só adepto da idéia de se “destruir”, literalmente, tudo que uma pessoa criou e fazer uma “adaptação” do zero.

Casshern Sins - Casshern destruindo robôs

Casshern Sins - Casshern destruindo robôs

Existem alguns jogos nos quais Casshern já apareceu. Não encontrei muitas referências específicas (aliás, só uma mais recente), mas me recordo que ele participava de um jogo de luta chamado Tatsunoko Fight(Playstation), onde vários personagens da Tatsunoko batalhavam entre si(Gatchaman, Tekkaman, etc).
E atualmente, encontrei o Tatsunoko Vs Capcom: Cross Generation of Heroes(Na imagem da capa que encontrei mostra Wii…mas não consegui descobrir se saiu pra outra plataforma), mas nem vou falar nada já que o título é bem explicativo né. Essas séries sempre são absurdas, mas rendem uma boa diversão no final das contas.Abaixo, um vídeo e uma imagem, respectivamente do primeiro e segundo jogo que comentei:

Tatsnunko Vs Capcom - Capa do jogo para Wii

Tatsnunko Vs Capcom - Capa do jogo para Wii

Bem, no mais, eu aconselho assistirem ao anime, pois graficamente ele foi muito bem feito. Por mais que alguns talvez não gostem muito do “clima” do enredo, as imagens e a trilha sonora compensam e muito.

Em breve retorno com algo mais para vocês. Estava querendo falar sobre um das antigas que estou baixando novamente…não vou estragar a surpresa, mas…alguém se lembra de US Mangá?

Abraço! ;D

P.S.: Em breve, estou pensando em escrever sobre outras coisas para variar um pouco os posts. Talvez inaugurar a seção de musica (acredita que nós temos uma?) com nomes de músicas e bandas de anime….ou talvez falar de mangás (mas eu tenho poucos, então ficaria escasso >.<)…mas vamos ver o que pode sair xP

Até a ultima Gota: Parte 2 principe encantado

Olá Pessoal!

Bom como prometido,  cá estou eu novamente para falar da série Crepúsculo e suas semióticas. Bom eu li algumas criticas da série, algumas positivas, outras negativas e agroa vou falar um pouco da minha visão dos livros. ATENÇÃO: o texto a seguir irá conter spoilers! por isso se não tiver lido ainda fique por sua conta e risco.

Stephenie Meyer aproveitou que Harry Potter acabou e entrou de cabeça em um buraco deixado no mercado. A diferença é que sua historia não é tão unisex como a de M.K.Howling e o publico feminino com certeza é o foco do público. As cenas de luta são parcas e pouco detalhadas, mesmo por que deu pra perceber que a autora não sabe escrever batalhas. Ela usa os escapes da narrativa para não falar o que esta acontecendo como no primeiro livro, onde ela desmaia Bella para não descrever a luta contra James, e no terceiro onde a velocidade sobre humana dos vampiros impede que ela enxergue a luta. Uma prova de que lutas não são o principal é o momento de tensão na Italia quando Bella e Edward são encurralados por membros dos volturi, se fosse pra agradar todo mundo ia rolar uma porradaria muito louca. Mas eles são impedidos, podem falar que foi uma boa saida para manter os suspense sobre as habilidades deles mas enfim. Porém, ela sabe dar um bom clima de suspense em alguns momentos, quando não os quebra com o romantismo ligeiramente exagerado. No terceiro livro vemos mais o lado de horror de uma historias de vampiros o que dá um clima menos adolescente à historia.

A autora

A visão,  do relacionamento chega a ser engraçado. Stephenie, faz um heroi principal perfeito em todos os quesitos onde até suas crises de ciumes são atraentes, e seu principal defeito é superproteção. Edward é um personagem que não apresenta nuances humanas, e o único diálogo onde ele mostra que não saiu dos sonhos de uma adolescente é com Jakob no terceiro livro mas mesmo assim fica muiito pouco no todo. Ele foi criado nos moldes do principe encantado, bonito, rico, sobrehumano, forte e completamente devotado a sua amada. Apesar de ele ser um vampiro, isso apenas lhe da um charme pois ele prefere beber sangue de animais. Bella já é mais humana com defeitos meio estranhos e neuras adolescentes comuns, mas seu amor incondicional por Edward se torna as vezes surreal com sua incapacidade de sequer brigar com ele. Ela é uma personagem com problemas psicológicos sérios, pois é dependente do vampiro, e se sacrifica por ele. Mas isso a torna mais realista.

A personagem, assustou aos mais concervadores, pais de família, pois suas tendencias suicidas poderiam influenciar as adolescentes tendenciosas. Pra mim isso é um pouco de exagero pois para ser influenciado por uma garotinha antiosocial que pula de penhascos apra ouvir vozes só se vc tiver os mesmo problemas dela. Mas enfim. Stephenie faz justamente o contrario do que estes criticos dizem pois em seus livro, Edward é um herói tão perfeito que ele, para (pasmem) salvar a ALMA de sua amada nãoquer ter relações sexuais, ANTES, do casamento! Para mim este foi o cumulo do puritanismo, enquanto a sexualidade de Harry Potter era mais infantil, Meyer simplesmente prega a virgindade e os preceitos religiosos de que a alma será perdida caso você peque trepando sem casar por ai. Nada contra preceitos religiosos, mas chega a ser didático no livro. Não sei se isso foi uma forma de agradar aos pais, mas para mim foi muito forçar a barra. Mais uma vez Bella traz o lado humano cheio de hormoniso que uma adolescente deveria ter, mas é refreada e controlada logo em seguida pelo chatíssimo Edward e seu discurso de moral e civica.

Uma deficiencia da narrativa em si que eu achei foi a falta de profundidade dos personagens coadjuvantes, eles são clichês e apenas para mostrar que existe um mundo além do que Bella ve. A autora pareceu gastar muito mais tempo com os vampiros que com os humanos e a falta de humanidade as vezes incomoda. As historias de Carslile, Rosalie e Jasper, foram muito bem arquitetadas, mas elas batem de frente com a falta de verossimilhança dos humanos. Tudo bem que são personagens que naõ influem diretamente nos conflitos, mas eles são vagos demais. Em compensação o mundo sobrenatural de Meyer é bem estrutrado. Os vampiros serem nõmades e terem regras simples me deixou feliz pois isso é bem mais verossimil afinal alguém, que bebe sangue não deve ficar por muito tempo em uma cidade sem envelhecer. Ela claramente foi influenciada por putras narrativas ao colocar uma guerra entre lobisomens e vampiros e o fato dos lobisomens serem indígenas. Isso pra quem não sabe é herança do RPG (Role Playing Game) Lobisomem:O Apocalipse, onde os licantropos são dividos em tribos, onde foi uam nova visaõ daqueles filmes de terror Z que passam de madrugada.

O livro que trouxe uma nova visão dos lupionos

O livro que trouxe uma nova visão dos lupionos

O fato de cada vampiro trazer uma habilidade especial, um poder que remete a uma de suas características humanas foi uma ótima ideia tornando cada vampiro unico. Os Volturi em si são muito bem feitos pois são uma boa ideia de realeza. Uma pena que parece que não conheceremso todas as habilidades sobrenaturais dos nove guarda-costas deles. Os lobisomens ficaram muito estranhos na minha opinião em termos de aparencia, mas sua ideia de matilha é interessante. Porém o poder deles se tornou estranhamente vago, hora eles parecem ser mais poderosos, hora parecem ser mais fracos que os vampiros, então não sabemos ao certo o seu poder. Ainda não li Amanhecer mas já me adiantaram um rumo desagradável da historia que eu não gostei. Mas enfim vou terminar de qualquer forma para ver até onde Meyer vai. A Seguir: Mais análises semióticas e possíveis influencias

P.S. Lobisomem era umjogo legal mas a nova versão é mais interessante…

P.S. Talvez seja minha influencia de animes japoneses, mas eu fiquei imaginando um ataque dos nove guarda-cotas tão legal que me deixou decepcionado quando só dois deles tiveram seus poderes revelados. Espero que no ultimo livro apareça mais alguém.

P.S. Sim eu tenho birra do Edward que pra mim foi ficando um saco ao longo da historia perdendo até o sarcasmo ironico que ele tinha no primeiro livro.

P.S. bom como homem eu realmete fiquei decepcionadopela falta de cenasde luta, mas até que a que rola no final do terceiro livro foi legal…

P.S. acho quefalei demais e acabei nao falando tudo neste post… saco…

P.S. Por favor gente se entrou no blog deixe comentários, pode deixar sua marca, se gostram ou não. e aquem entra valeu gente brigadão.

Animes Series – Code Geass R2: Lelouch Of The Rebellion

Hi people! ^^

Gostaria primeiramente de falar que eu devo ter uma boca maldita (ou pelo menos dedos malditos, pois eu digitei né), pois no último post eu citei coisas que acontecem pra impedir as postagens…e não é que aconteceu algo mesmo! O modem que envia sinal de internet pra minha casa queimou e eu fiquei praticamente um mês sem net xD

Além de tudo, como estou planejando me mudar no início do ano que vêm, estou vendendo meu Xbox 360 (travado, placa falcon e com praticamente 1 ano e meio de garantia ainda), 4 jogos originais (Mass Effect, Naruto – Rise of a Ninja, Gears of War 2 e Ninety Nine Nights, todos pouco usados…foram comprados final do ano passado) e 3 Acessórios (Cabo VGA MS, Kit Play & Charge MS e Cabo HDMI normal) para poder ajudar nas compras do que for preciso. Caso alguém se interesse em algo acima (saber preços, etc),  entre em contato no email (kallrish@gmail.com). Findado o jabá, voltemos ao estúdio.

Mas bem, a parte boa é que deu tempo para começar e terminar de ver a sequência do anime citado no último post e que é o tema deste: Code Geass R2: Lelouch Of The Rebellion.

Code Geass R2 - Personagens principais e novatos

Code Geass R2 - Personagens principais e novatos

Como eu já citei toda a informação técnica a respeito do seu sucessor, e até mesmo um breve comentário sobre este também, vou me ater somente a relembrar que ele possui 25 episódios.
Comentário a parte, é perceptível que parece ser a continuação da história para completar os eventos que acontecem no primeiro mangá (onde a Lelouch é o foco), mas como eu não tive a chance de ler o mesmo, fica só a minha opnião.

A história é uma sequência direta dos fatos ocorridos em Code Geass, continuando do ápice da disputa do último episódio.
Eu achei muito boa essa continuação, não somente por ela revelar fatos que ficaram obscuros no anime anterior, mas também porque a escala da guerra cresce realmente para um nível mundial dando ênfase para a Federação Chinesa (que não teve quase atenção alguma anteriormente)…mas talvez peque por dar atenção grandiosa somente a ela também.

A guerra de raciocínio continua muito bem empregada, acrescida de vários outros fatores complicadores  devidos a fotos ocorridos no primeiro volume (e que  logicamente não posso contar né xP), mas achei bem interessante.

Nesse episódio, que dá um fim a série (ou pelo menos aos fatos que se passam no primeiro mangá), são mostrados outros pessoas que possuem o Geass e novos efeitos do mesmo.
Outra coisa muito interessante, para quem se amarrava nos Knightmare Frames mas ficava triste por haverem somente os modelos normais e alguns poucos modelos “diferentes” dos outros, foi o acréscimo de vários modelos novos; tanto os modelos únicos como “novos” modelos normais do tipo “Standart” ou “Default”.

Code Geass R2 - Britannia x Japão

Code Geass R2 - Britannia x Japão

As reviravoltas no enredo foram muito bem estruturadas, e as duas últimas foram excelentes e pouca gente deve conseguir raciocinar o que vai acontecer, porque realmente é repentino e inesperado.  Isso com certeza garantiu mais pontos ao envolvimento que a série gera com quem está assistindo.

Algo que não comentei no útlimo post foi que, quem desenvolveu o “design” dos personagens foram as meninas da Clamp (sim…por isso fica parecendo que você já viu esse estilo em algum lugar). Tem gente que não gosta desse traço, mas uma coisa é certa: eu acho interessante a criatividade da Clamp na hora de criar personagens, roupas e cenários, pois estes acabam ficando ricos em referências a outras culturas e informações interessantes.
Pra quem nunca parou pra prestar atenção, elas costumam fazer muitas referências a coisas e personagens conhecidos, seja de outras culturas ou da mitologia em geral.
Tanto em Code Geass, quanto Code Geass R2, existem várias referências (Lancelot, Valquírias,  Knights Of Round, Espada de Akasha, etc) que são um bom exemplo, mas não quer dizer que foram elas e não o escritor quem sugeriu isso…pra ter certeza, só conversando com um dos dois.

Code Geass R2 - Knights Of Rounds

Code Geass R2 - Knights Of Rounds

O final talvez não tenha sido o mais apropriado, mas caiu bem (diferente de um certo anime que ainda irei comentar aqui futuramente, que o autor conseguiu estragar todo o conceito da história em menos de 3 capítulos ¬¬) e não deixou nada a desejar.

Pra quem assistiu o primeiro Code Geass e gostou, Code Geass R2 é obrigatório para que você possa tirar suas dúvidas e descobrir como tudo acaba. Mesmo para quem assistiu o primeiro e não gostou muito, eu aconselho ver o segundo, já que é bem mais emocionante e fluente em artifícios novos para manter a sua atenção e interesse.

Em breve retornarei com mais informações para vocês.
Lembrando que estamos abertos a sugestões, críticas e comentários. Sempre que puderem, enviem comentários pra nós…sempre aumenta o ânimo ao saber que as pessoas gostam das informações postadas e se interessam ok! =)

See Ya! ;D

P.S.: É claro que eu não resistiria a chance livre de fazer um “pequeno” jabá né…mas é por uma boa causa.

P.S.2: Eu tenho inveja da sorte do Ougi (persongem de Code Geass pra quem tem problemas de memória)…assistam e entenderam (assim espero).

P.S.3: Será que um dia os personagens da Clamp poderão ser menos esguios e bonitos? Parece que nos mundos imaginários das história que elas fazem, “Deus” distribui dotes físicos na queimão de estoque. xD

P.S.4: Olha o que eu achei na net. Poxa, na minha época bonecos não tinham roupa de pano de verdade. Acho que quero um desses de aniversário…vou me mudar pro japão xD

Code Geass R2 - Boneco do Lelouch - Não seria legal ter um desses?

Code Geass R2 - Boneco do Lelouch - Não seria legal ter um desses?

Até a ultima gota. Parte 1: Crepúsculo

Olá pessoal!!!!

Cá estou eu para falar do fenomeno atualque anda me deixando bastante intrigado. Os vampiros. Ao que parece, após os livros de Stephenie Meyer terem se tornado um sucesso adolescente um bando de histórias de vampiros desabaram por todos so lados. As Tvs decidiram investir em séries de vampiros como True Blood e Vampire Diaries com adolescentes bebedores de sangue. Mas tudo isso voltou a tona com Crepúsculo de Stephenie Meyer e suas continuações que renderam algusn milhões para autora. Eu como sou muito curioso resolvi ler a série.. então vou dar minha opinião sobre os três primeiros livros da autora. E se você não leu haverá spoilers disfarçados. 

Crepúsculo: Bom eu naõ gosto de narrativas em primeira pessoa, mesmo porque depois que li Pergunte ao Pó de John Fante eu nunca vi nada em primeira pessoa tão bom… Enfim, oprimeiro livro é mais introdutório e mostra a jovem Bella que se muda para a chuvosa Forks e se apixona pelo misterioso Edward que (ta daaaaam!) é umvampiro. Ele porém é um vampiro bonzinho que só bebe sangue de animais (quer dizer menos pro greenpeace…)  ele e sua família. Daí temos o conflito de Edward querendo beber o sangue da amada e ela querendo se entregar totalmente a ele e claro se tornar uma vampira também. Os vilões do livro são interesantemente construidos como opostos da famílai de Edward e assim são assassinos implacáveis. O climax do livro deixa a desejar pela narrativa em primeira pessoa, mas o suspense até o final é bem articulado embora poderia ser mais intenso e não ter as quebras que apresenta. 

O amor de Bella e Edward é incondicional, e chega a ser até muio doentio as vezes e pouco provável considerando que ele tem 107 anos de idade.  Mas como ele é um herói adolescente, trazer os traços do antigo principe encantado faz parte dele. Aliás ele é uma versão bem interessante do tal principe considerando seu dinheiro, pudor e poderes. Levando-se em conta que a personagem principal é uma adolescente e que o livro é voltadopara tal público é preerfeitamente explicável o ponto de vista apixonado e meio bobo dela. O exesso de detalhes e a apaixonite da persoangem são muito exagerados pro meu gosto. 

Lua Nova: dos três que eu li o meu preferido. O fato de Edward não estar em boa parte do livro o torna menos meloso e mais rápido no ritmo. A depressão da personagem pelo abandono é bem típico dos adolescentes, embora o lado suicida dela seja mais propício da personagem que se mostra uma completa maluca…  Jakob Black se tornou meu personagem preferido pelo jeito mais humano e despreocupado. Ele não é perfeito como Edward e se mostra uma opção para Bella que pode escolher ser humana. Os Lobisomens que aparecem no livro foram uma adição interessante a trama embora uma reviravolta no final chega a questionar a necessidade da existencia deles… Afinal eles não tem muita influencia no grande problema da trama em si oque os torna segundo plano de uma hora para outra no que pareceu mais um rompante de criatividade do que uma coisa premeditada anteriormente.  Os volturi são com certeza a coisa mais interessante da saga até agora e mostram uma sociedade vampírica muito mais lógica que de muitas outras histórias. Embora eu esperava mais dos três fodões. Neste livro começa a aprecer um problema no personagem principal que eu achava que era só a visão de Bella sobre ele. Mas não… 

Eclipse: O livrotem o ritmo muito mais lento que o de Lua Nova. Enquanto o segundo livro te prendia pela sua vontade de saber quem vai sobreviver no final das contas, Eclipse volta ao chamego de Bella e Edward e mostra um vampiro tão casto que chega a dar nojo. O personagem de Edward começa a mostrar defeitos o que me deixou feliz no início do livro. Ele mostra ciumes, super proteção e até um sentimento de propriedade. Só que isso tudo some no meio do livro e vemos um cara compreensivo, meigo, e que chega a não fazer sexo pensando na virtude da mulher amada!!! Nessa hora eu quis parar de ler e jogar o livro na fogueira, mas continuei e para minha felicidade, li  a primeira luta real de toda a saga o que não me decepcionou nem um pouco. Embora Meyer tenha mostrado que não sabe escrever cenas de luta e por isso as estava evitando.  O grande mérito do livro é questionar o tamanho do amor dos dois que começa a passar por conflitos. Porém eles acabam sendo resolvidos de forma muito, como direi, simples em boa parte da trama chegando a incomodar. 

Jacob se torna um pouco inconsequente demais pro meu gosto embora esteja desesperado e a personagem principal se tornou incrivelmente doida neste livro. Acredito que a autora tenha tido dificuldades de descrever com exatidão os sentimentos da personagem. Mas Bella se mostra incrivelmente dependente e submissa a Edward em boa parte do livro.  A força que ela tinha adquirido com a separação, foi pro saco neste livro que mostra ela louca pra se entregar totalmente ao amado. Ela não consegue ficar nervosa com o sentimento de propriedade do vampiro, mesmo porque nem precisava já que o perfeitinho logo se mostra compreensivo. O melhor momento do livro onde a autora realemente me surpreendeu foi no dialogo “a sós” de Jakob e Edward. Pela primeira vez os persoinagens discutiram de forma mais “normal” entre eles e mostraram que são homens. Mesmo assim tudo vai pro saco depois nas ações de ambos, no modo como Jacob age com Bella ecomo Edward aceita tudo (ele é muuito chato vei!) .Na verdade o grande conflito deste livro é a escolha de Bella por Edward ou Jakob. O restante parece se tornar pano de fundo para essa escolha que se mostra cada vezs mais difícil ao longo do livro embora termine de forma bem óbvia.  A falta de agilidade mental dos protagonistas também me deixou um pouco nervoso. Os grandes momentos deste livro estão na batalha final, e nos flashbacks que com as bem estruturadas histórias de Rosalie, Jasper e a origem dos lobisomens. A visão de Jakob da história mostrando pela primeira vez uma narrativa fora da cabeça de Bella realmente foi uma boa cartada no fim do livro… 

A seguir uma visão geral e semiótica da obra de Meyer!!! e mais a seguir ainda um apanhado do efeito pop da série

P.S. Os vampiros de Meyer são mujito poderosos pro meu gosto, pelo menos o sol né? Pqp… 

P.S. Os lobisomens ficaram bem criativos e deiferentes, gostei do sentido de alcatéia deles. Mas eles que se mostravam mais poderosos que os vampiros em Lua Nova perderam os poderes em Eclipse de forma bem picareta…

P.S. As histórias de Carslile, Rosalie e Jasper são dignas de RPG’s do genero como Vampiro a Máscara e Vampiros Mitológicos. 

P.S. Seria interessante e caça níqueis mostrar as histórias destes três vampiros em outros filmes separados, adoraria ver jasper sair na porrada com os neófitos 

P.S. Realmente era frustrante ler capitulos inteiros de devoção e amor dos protagonistas para chegar em bons momentos dos livros… Mas ….

P.S. Essa é minha opinião sobre os livros, não quer dizer que seja certo ou errado mas foi só oque pensei sobre a história.