Quem conta um Conto: A Cápsula: parte 1

Olá Pessoal! Gostei dessa história de contar contos (que coisa redundante não?) e estou estreiando por aqui com o meu. Voltado para  ficção científica e horror aproveitando que sou fã de H.P.Lovecraft. Espero que gostem de ler tanto quanto gostei de escrever. Como sou muito exagerado, meu texto ficou grandinho e por isso dividi em duas partes. A primeira vai hoje e a próxima na sexta-feira, no dia oficial de contos.

Diário de bordo da unidade XR356: Garuda

Operação de transporte protocolo: 37286 17-11-2137

Relator: Capitão Guimarães

Equipe de oito militares: Dois técnicos, dois pilotos, três soldados e um atirador

Sintese da missão:

Transportar a cápsula encontrada pela equipe de escavação da Estação Antares e levá-la para a Unidade de Pesquisas Avançadas no Setor 23 da galáxia. A Estação estuda a possibilidade de existir indícios de vida no asteróide após leituras térmicas indicarem alterações dentro do corpo celeste.

1:30h dia 01-02-2136

Primeira avaliação da missão após o despertar da suspenção da decolagem. Sistemas da unidade Garuda funcionando perfeitamente e em rota para o sistema V1200 para a Estação Antares em XR2765. A tripulação esta utilizando os equipamentos da academia para recobrar a coordenação motora e minimizar os efeitos da animação suspensa. Perdemos contato com a Estação Antares a algum tempo devido a uma tempestade magnética causada por uma estrela que passamos pela orbita a algumas semanas. Até agora não conseguimos recobrar toda a comunicação. A ultima mensagem que recebemos foi em sistema de texto e dizia “Venham Logo”. Havia mais uma parte da mensagem que os técnicos, sargentos Fernandes e Baltazar, estão tentando decifrar.

12:45h dia 04-03-2136

O uso do hiperespaço foi um sucesso e chegamos à orbita da estação. Novamente não conseguimos contato através de rádio ou vídeo. Mesmo assim devemos entrar em contato com a estação em pouco tempo. Os dois técnicos conseguiram identificar qual era o restante da mensagem. “Venham logo, por favor. Antes que ele acorde”. A previsão de chegada é de 12 horas.

0h dia 05-03-2136

Chegamos na Estação e fomos recebidos de forma suspeita pelos tripulantes. Quando chegamos fomos recepcionados pelo supervisor Dr. Kuon Dhon Kyu que demonstrou um comportamento também suspeito. Quando questionado sobre a mensagem ele disse que foi um erro de transmissão e que a mensagem que recebemos era conteúdo interno da estação, uma brincadeira de estagiários. Percebemos que os ocupantes da estação estavam com um comportamento estranho. Eles não estavam exercendo suas atividades e nos observavam o tempo todo. Percebemos ainda que todos apresentavam profundas olheiras como se não estivessem dormindo a dias. Pela contagem rápida do sargento Fernandes faltavam pelo menos 300 dos 1500 membros da pesquisa. Não estavam presentes nas áreas avistadas pela equipe dentro da Estação. O Dr. Kyu explicou estarem nos níveis inferiores analisando o furo.

Enquanto eramos levados para a sala de pesquisa da cápsula percebi que havia uma grande concentração de pessoas no centro da Estação onde ficava escavação. O corredor tinha uma parede de vidro que dava visão ampla da escavação no asteróide. O furo no centro da estação já era quilométrico e não havia trabalhos aparentes de escavação. As máquinas estavam paradas e os trabalhadores e pesquisadores apenas observavam o furo. Quando perguntei o que estava havendo o supervisor disse que um bolsão de gás foi encontrado dentro do Asteróide  próximo de onde havia a cápsula e por isso os pesquisadores haviam parado o trabalho para buscar novas informações sobre o que havia dentro do asteróide.

Ao chegarmos na sala de pesquisas encontramos a cápsula. Ela medida cerca de 3 metros de comprimento por 1,6 de largura. Estava dentro de um compartimento transparente. Os pesquisadores deste setor estavam mais ativos e analisando os computadores. A Cápsula possuia uma camada estranha de algo parecendo um limo de cor esverdeada que dava uma impressão de algo muito antigo. Ela estava rompida, porém não quebrada, era como se algo a tivesse aberto simétricamente no meio como uma porta. Não havia nada dentro dela e nas paredes internas havia símbolos desconhecidos.

Perguntei ao Dr. Kyu o que havia na cápsula e ele disse que não havia nada. Sobre os símbolos explicou que acreditavam ser de uma civilização alienígena antiga que usou o asteróide como estação. Ele explicou que durante as escavações diversos elementos, em ruínas, foram encontradas no interior do asteróide e que indicavam que uma forma de vida inteligente já esteve no local. Havia diversos elementos mas devido a ação do frio do espaço se deterioraram e se desfizeram. Apenas a cápsula em questão aguentou as mudanças de temperatura e deslocamento até a superfície. Ela foi analisada e um símbolo encontrado. Este foi apertado como um botão e o objeto se abriu. Agora os pesquisadores estavam buscando mais artefatos e analisando os simbolos. Devido as condições da estação a cápsula deveria ser removida para um ambiente mais esterelizado para ser estudada e o Dr. Kyu iria conosco.

Passaremos a semana na Estação para que todos os preparativos sejam entregues.

Minha atiradora, a tenente Lima disse que seus sentidos aumentados indicavam uma ameaça mas ela não conseguia identificar porque. Confiei em seu julgamento já que a tenente fazia parte de experimentos de aumento da área cognitiva do cérebro. Como resultado do projeto Parcas a permitia ter uma espécie de sexto sentido que a tornava mais sensível a análises e decisões com uma quase previsão de eventos futuros e sentido de perigo o que a tornava uma atiradora melhor.

6h dia 06-03-2136

Meus homens acordaram reclamando de terem tidos pesadelos durante toda a noite. Estranhamente estes pesadelos eram incrivelmente semelhantes. Eles se viam tentando fugir da estação, porém todas as portas que tomavam levavam à sala da cápsula. Pela janela dos corredores eles podiam ver todos os trabalhadores em torno do furo no chão e falando ao mesmo tempo uma espécie de mantra. Aparentemente havia algo dentro do furo, vivo, enorme e se mexendo. Então a coisa dentro do furo emite um som e eles acordavam.
Tentei tranquiliza-los dizendo que era apenas o fato de estarem impressionados com os indícios de vida alienigena tão fortes desde o incidente nas luas de Marte. O que não revelei a eles é que tive o mesmo sonho. Porém no meu o Dr. Kyu estava na sala de pesquisa com um sorriso diabólico no rosto. E quando acordei poderia jurar que ouvi o rugido da criatura ainda acordado.

Continua…

P.S. Escolhi uma ambientação abrasileirada pois ando nacionalista.

P.S. Parcas para quem não sabe são as fiandeiras do destino dos homens da mitologia grega. Elas determinavam a vida de cada homem e cortavam sua linha quando estes morriam. Com isso elas eram uma espécie de bruxas do tempo que até os deuses respeitavam. Achei interessante dar esse nome para alguém com habilidades de previsão e sexto sentido.

Publicado em julho 13, 2011, em Estórias pra boi dormir e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

  1. Adoro produto de cabeças nerds!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: